A visita do pastor

POR: Fernando Pinheiro || Palavras Reflexão

Porque os líderes (pastores) de tempo integral “não visitam” suas ovelhas?***

Concordo com o fato de não conseguirem sozinhos, visitar todos os membros de sua denominação e por isso precisam da ajuda dos demais líderes para isso (o que é muito bom), entretanto, isso não justifica a não visitação, ou a ineficiência disso!

Quero me lembrar do texto (em Jo 21) onde Jesus pede a Pedro para apascentar suas ovelhas. O termo “apascentar” está totalmente ligado a “contato pessoal”.

Sermões apenas, não podem pastorear! Afinal, são monólogos e, se posso dizer (sem que me atirem pedras), são impessoais! Os termos: “pastor e ovelha”, foram tirados como meio de alusão do ofício natural, pois, a relação entre os mesmos é algo incrível e exige cuidados especiais, completa confiança e responsabilidade. A ovelha, é um animal doméstico e completamente dependente do ser humano, pois não possui nenhum mecanismo natural de defesa. Enfim, os cristãos verdadeiros, são chamados por Jesus de ovelhas de seu pasto! Em Efésios 4:11, observamos os dons de Cristo dados à Sua igreja e “pastor” está entre eles.

Quem pastoreia? Quem exerce a função de pastorear o que é? Jesus chamou a Pedro para que pastoreasse seu rebanho, logo o chamou para ser pastor! Isso mesmo! Pastor!

Muitos alegam não ter tempo! Devido a outras obrigações na igreja, mas Imagino Jesus dizendo a Pedro para que apascente Suas ovelhas e tendo como resposta: “Senhor, você sabe que te amo, mas não posso, pois não dá tempo!”.

lobos-e-ovelhasNaquela época, não havia microfone, nem correios eficientes, que diremos então internet com suas redes sociais!! É claro que apascentar está intrínseco ao contato pessoal!

Não sei se estou sendo rígido, mas podemos fazer um apontamento, ou melhor, um cronograma para analisarmos as circunstâncias. Vamos pensar matematicamente para chegarmos a algum esclarecimento.

Um ano (12 meses) possui 365 dias, isto é, 52 semanas. Logo temos 52 sábados e 52 domingos. Se o pastor, de tempo integral, não precisasse visitar nos finais de semana (até porque estamos falando de visitas curtas), o que soma 104 dias no ano sem tal tarefa. Somando com 31 dias de férias, são 135 dias no ano sem precisar fazer visitas (31 de férias? Porque não 30? Calma, estamos dando 1 dia de “lambuja” para os números baterem inteiramente – números quebrados me quebram!!).

Sendo assim, dos 365 dias sobram, para fazer visitas, 230 dias úteis. Apesar dos 104 dias referentes a sábados e domingos e 31 dias de férias isentos de visitações às ovelhas, vamos dar mais 15 dias por conta de feriados e recessos (crendo que as pessoas escolhem viajar nesses dias e logo não estarão em casa). Quantos dias sobraram? 215 dias! O equivalente a 59% de um ano.

Calma! Esses dias não seriam inteiramente dedicados, isto é, em sua totalidade. Lembra que falei de visitas curtas? Pois bem, visitas de 1hs no máximo. (Claro que não há regra, pois umas duram mais e outras duram menos). Se o referido pastor decidir fazer 7 visitas por semana (nos 5 dias úteis, como já foi falado) em 1 ano ele terá visitado e orado (PESSOALMENTE) por 301 famílias!!

Isso não é fantástico? Pode parecer metódico, mas se avaliarmos, não há desculpas para não visitar ao menos 200 famílias por ano! (tirei um terço). E se por um acaso o pastor treinar outros pastores para tal atitude, logo toda a igreja (se for de grande porte) terá assistência de seus próprios pastores!! Estamos falando de 7 horas semanais. Seria pedir muito? Se uma semana de trabalho possui 40hs, estamos falando apenas de 18% de uma semana de trabalho normal! Ou seja, o pastor ainda poderia tranquilamente cumprir suas outras tarefas com as outras 33hs restantes.

Enfim, para ser pastor tem que amar e gostar de “gente”…, contato…, disposição e tempo!

Infelizmente, o que temos tido em abundância na atualidade são administradores de templos religiosos! São talentosos sim (não tiro o mérito!), falam muito bem em público e até ensinam algumas coisas da Bíblia, não toda, pois não dá tempo (mensagens “expositivas” além de cansativas podem dispersar as ovelhas, então as “Temáticas” são as melhores opções).

As “células” e outros grupos familiares são magníficos e essenciais! Mas, infelizmente, têm servido de desculpas para muitos pastores se acomodarem no quesito real da palavra: pastoreio! Como irmãos, podemos ajudar mutuamente uns aos outros, isso é fato, (e bíblico também) mas não isenta, de modo algum o trabalho/chamado/dever/ministério pastoral, que é puramente apascentar pessoas!

 

__________________________

***Sei que não se aplica a todos, embora eu tenha generalizado! Parabenizo aos líderes que praticam a visitação de suas ovelhas, em meio a um mundo com atrativos tão competitivos (redes sociais, TV, videogame, Smartphone, futebol, clubes, shoppings, etc….).


Nascido em Suzano/SP. Casado, pai de duas princesas. Formado em Letras, Teologia e Pós-graduando em Docência e Gestão do Ensino Superior. Já liderou alguns ministérios na igreja local: Jovens, música, departamento de ensino e missões (inclusive algumas aventuras missionárias entre índios no Mato Grosso). Atualmente é diretor da plataforma de música na Companhia Arte & Mensagem e, esporadicamente, ministra palestras a quem quer que "se arrisque" chamá-lo. Não, ele não sabe assoviar e chupar cana ao mesmo tempo, embora tenha tentado (se é o que pensou!). É "aparentemente" normal, fã de videogames, super-heróis, rock, hq's, filmes e séries, desde ficção científica a romances e dramas que nunca o fazem chorar (pouco).

Cadastre-se

Curta nossa página


Topo